RESENHAS

Esta sessão destina-se à resenhas que abrangem lançamentos em diversos formatos (CD, Tape, Vinil, DVD, Blue Ray), assim como resenhas de shows e festivais. A partir de 2012, a equipe do zine foi aumentada, o que auxiliou na maximização do número e qualidade das resenhas. Já em 2013, passamos a incrementar em resenhas de lançamentos notas de 0 a 10.

CLIQUE EM CIMA DA RESENHA DESEJADA PARA LÊ-LA NA ÍNTEGRA.

2DEDO – Between cosmos and hell (EP)

99NOIZAGAIN – Dust Rock (EP)

AGAINST TOLERANCE – Redefined (EP)

ÁGONA – Essencial putrefação (EP)

 AGGRESION – Forja Infernal (EP)

ALLOS – Spiritual battle (CD full)

ANDRAGONIA – Secrets in the mirror (CD full)

ANGELS HOLOCAUST – Crystal Night (EP)

APOCRYPHAL VOICES – Pain and pleasure (CD full, Finlândia)

APOKALYPTIC RAIDS – Vol. 4-phonocopia (CD full)

ARS DIAVOLI – Ars Diavoli (EP, Portugal)

ATACKE NUCLEAR – Extermínio (CD full)

ATSPHEAR – Redshift (CD full, Espanha)

ATTOMICA – 4 (CD full)

AUGRIMMER/GRAVE DESECRATOR – Bloody deathcross (Split 7’EP, 2013, Alemanha/Brasil)

BAIXO CALÃO – Atmo Mediokra (CD full)

BANNI CONFLICT – Quando julgam os infames (EP)

BANNI CONFLICT – Acidente brutal (Demo)

BASTTARDOS – O último expresso (EP)

BLUE MAMMOTH – Blue mammoth (CD full)

BLUE MAMMOTH – Stories of a king (CD full)

BHODUM – Extremo (CD full)

BLACKNING – Alienation (CD full)

BLACK SABBATH – 13 (CD, 2013)

BLOODY MORGUE – Bloody Morgue (EP)

BROTHERS OF SWORD – United for metal (CD full)

BROKEN AND BURNT – Let the burning begin (CD full)

BROKEN & BURNT – It Comes to Life (CD full)

BRUTALLY MURDERED – Killed by the sword (Single)

BURNING IN DECEPTION – Madness Arises (EP, Brasil/Itália)

BURWEED – Hide (CD full, Finlândia)

CADELA MALDITA – Fight to survive (CD full)

CADELA MALDITA – The universe in a belly button (CD full)

CAMUS – Heavy metal machine (EP)

CEIFADOR – Heavy metal 666 (CD full)

COMMAND 6 – Black flag (CD full)

COUNT OLD – A morte das estrelas (EP)

CRUSHING AXES – Frozen soul (CD full)

CRUZ DE FERRO – Guerreiros do Metal (EP, Portugal)

CRUZ DE FERRO – Morreremos de pé (CD full)

DARKEST – Human Decay (EP)

DARK WITCH – Circle of blood

DEATH TRAP – Full moon possession (EP, Grécia)

DEFORMED SLUT – Stench of carnage (CD full)

DEFYING – Nexus artificial (CD full, Polônia)

DEGRADOR – Dead in Life (EP)

DEMOLITION – Manipulation for Tragedy (EP)

DESALMADO/HOMICIDE – In Grind we trust (CD full)

DESPOT – Cold deliverance (EP)

DECAYED/IRAE/INQUISITOR – From the underworld with hate (Split CD, 2013)

DESPERATA – Dream resort (EP)

DEVACHAN – Andarilho (EP)

DISORDER OF RAGE – Bloodstained (EP)

DORSAL ATLÂNTICA – 2012 (CD full)

DRAGON’S KISS – Somewhere up in the mountains (EP, Portugal)

ELETRIC AGE – Good times are coming (EP)

EMINENCE – The stalker (CD full)

ENDLESS RECOVERY – Thrash Rider (2013, Grécia)

ERIDANUS – Helltherapy (CD full)

EU ACUSO! – Síndrome de  Estocolmo (CD full)

EVIL REMAINS – Legacy of the devil (CD full)

EVIL SYNDICATE – Shadows of Insanity (EP)

EXORDDIUM – Exorddium (CD full)

EXPOSE YOUR HATE – Indoctrination of hate (CD full)

FATES PROPHECY – The cradle of life (CD full, 2013)

FALLEN IDOL – Fallen Idol (CD full)

FALLEN IDOL – Seasons of Grief (CD full)

FACADA – Nadir (CD full)

FIRE SHADOW – Phoenix (EP)

GARUDA FORCE – Blue sky (EP, Indonésia)

GENOCIDIO – The clan (CD full)

GOATLOVE – The Goats Are Not What They Seem (CD full)

GREY WOLF – Glourious Death (CD full)

HAGBARD – Vortex to an Iron age (CD full)

HATEFULMURDER – Red Eyes (CD full)

HELLARISE – More mindless violence (Single)

HELLARISE – Functional Disorder (EP)

HELL’s THRASH HORSEMEN – Demo 2012 (EP, Rússia)

HEREGE – Terra morta (CD full)

HILLBILLY RAWHIDE – Ten years on the road (CD full)

HUGIN MUNIN – Mountainbreaker (EP)

IMAGERY – The inner journey (CD full)

IMMINENT ATTACK – Delivery us from ourselves (CD full)

IMPERATIVE MUSIC COMPILATION VOLUME VII (CD full)

IMPERATIVE MUSIC – Volume X (CD full)

IMPERFECT SOULS/BREAKNECK – Blasphemy aliance (Split CD)

INFECTOR CELL – Welcome to brutal reality (EP)

INFESTATIO – F.Y.A (EP)

INSANE DRIVER – Insane Driver (CD full)

IN SOULITARY- He who walks (EP)

INSULTERS – We are the plague (CD full, Espanha)

JACK DEVIL – Under the satan command (EP)

JET JAGUAR – Zero Hour (CD full, México)

JUPITERIAN – Aphotic (CD full)

KID JOE – Nossas armas (EP)

KHROPHUS – Eyes of Madness (CD full)

KIKO LOUREIRO – Sounds of innocence (CD full)

KNEEL – Interstice (CD full, Portugal)

KORZUS – Discipline of hate (CD full)

KRÁPPULAS – Psychoworld (CD full)

KRUCIPHA – Hindsight square one (CD full)

LABBRA – Angel Human Demon Dance (Demo)

LACERATED AND CARBONIZED – Narcohell (CD full)

LA VENTURA – White crow (CD full, Holanda)

LECTERN – Precept Of Delator (CD full, Itália)

LETHAL STORM – We are (EP)

MACUMBAZILLA – Macumbazilla (EP)

MARENNA – No regrets (CD full)

MASTERPIECE – Heirs of freedom (CD full)

MATHEUS MANENTE – Illusions Dimension (CD full)

MEDOFOBIA – Faceless (EP)

METALSTEEL – This is your revelation (CD full, Eslovênia)

MISCONDUCTERS – Reset (EP)

MUQUETA NA OREIA – Lobisomem em lua cheia (CD full)

MUQUETA NA OREIA – Blatta (CD full)

MYSTICAL – Infernalis criatura (Demo tape)

NAHUM – And The Chaos Has Begun (CD full, República Tcheca)

NEÓFITO – Abused (EP)

NECROPSYA – Isolation (Single)

NECROMANCER – Forbidden art (CD full)

NOTURNALL – Noturnall (CD full)

O BARDO E O BANJO – Homepath (CD full)

ÓDIO – Decadent god (Single)

OMFALOS – Idiots savants (CD full)

OMFALOS – Cotton candy rendesvouz (CD full)

ORRÖR – Monstro brasilis (CD full)

PANZER – Brazilian threat (EP)

PARADISE LOST – The plague within (CD full)

PARADISE LOST – Symphony for the lost (CD duplo/DVD)

PAR’UZHA – In state of vigilance (EP)

PAST UNDONE – See you tomorrow (EP, Portugal)

PERVENCER – Extermination is right (EP)

POP JAVALI – No Reason To Be Lonely (CD full)

POP JAVALI – Live in Amsterdam (CD full)

POSEIDON – The threefold law of return (CD full)

PRIMORDIUM – Todtenbuch (CD full)

Projekt NÖIR – Ský (EP, Islândia/Portugal)

PSYCHOTIC EYES – Psychotic eyes (CD full)

PSYCHOTIC EYES – I only smile behind the mask (CD full)

RED EVOLUTION – Imminent (EP)

REVOGAR – Vale dos suicidas (CD full)

RIVAL MACHINE – Inimigos do homem (EP)

SACRED DEATH – Spreading death (CD full)

SACRED SEAL – Incarnation (CD full, France)

SANGRENA – Blessed black spirit (CD full)

SKINLEPSY – Condemning the Empty Souls (CD full)

SKINLEPSY – Dissolved (CD full)

SLIPPERY – First blow (CD full)

SERENITY IN FIRE – Begin of destruction (EP)

SEPULTURA – Machine Messiah (CD full)

SHADOWSIDE – Shades of humanity (CD full)

SICK SICK SINNERS – Unfuckinstoppable (CD full)

SODAMNED – The loneliest loneliness (CD full)

SOUL INSIDE – No more silence (CD full)

STORMHOLD – Eyes in the eyes (EP, Rússia)

STRIP NO ALTAR – Vertical smile (CD full)

SUFFERING – Chaosatanas (CD full, Polônia)

S.U.C – Sádka Utopia Convergente (EP)

SURRA – Tamo na Merda (EP)

SWORDS AT HYMNS – The only end to a brave (Single)

TEKILAHELL – Doomed (CD full)

TELLUS TERROR – EZ Life DV8 (CD full)

THE BOURBONS – Demo 2014 (Demo, Portugal)

THE BLACK COFFINS – Dead sky sepulchre (CD full)

THREE WISE MONKEYS – Perihelion (CD full, Austrália)

TOMCAT – Bits N’ Pieces (CD full, Eslovênia)

TYTUS – Rises (CD full, Itália)

UNEARTHLY – Flagellum dei (CD full)

VINGADOR – Dark side (CD full)

VULCANO – The Man, The Key, The Beast (CD full)

VULTURE – Destructive creation (CD full)

WAGNER GRACCIANO – Across the universe (CD full)

WAYS-Watching from Afar (França, CD full)

YEKUN – Inside my headache (EP)

ZOMBIE COOKBOOK – Scared stiff (EP)

ZOMBIE COOKBOOK – Outside the grave (CD full e LP)

 RESENHAS SHOWS e FESTIVAIS:

Festival Bambazoo (Lavras-MG, 2012)

KING DIAMOND + CARCASS (São Paulo-SP, 2017)

Lavras Metal Battle (Lavras-MG, 2012)

Roça and Roll: 19ª edição (2017)

Roça and Roll: 18ª edição (2016)

Roça and Roll: 16ª edição (2014)

Roça and Roll: 15ª edição (2013)

Roça and Roll: 14ª edição (2012)

Roça and Roll: 13ª edição (2011)

Roça and Roll: 12ª edição (2010)

Triumph of Metal Festival: 7ª edição (2013)

Triumph of Metal festival: 6ª edição (2012)

Triumph of Metal Festival: 5ª edição (2011)

Triumph of Metal Festival: 4ª edição (2010)

 VIPER: To live again tour (Belo Horizonte-MG, 2012)

 VII Fiesta Pagana (Lavras-MG, 2012)

Resenha: Rising Metal Fest (14ª edição) – 14-03-2015

WACKEN OPEN AIR 2015 (26ª edição)-Alemanha: 29-07 a 01-08.

MOTÖRHEAD + GIRLSCHOOL + SAXON – Düsseldorf (Alemanha). 17 de Novembro 2015.

DEATH TRAP: Full moon possession (2014)


Não apenas de ROTTING CHRIST vive a Grécia, mas há uma rica cena do Metal, especialmente voltada para o Thrash e Death. O DEATH TRAP neste EP mostra através de suas duas faixas (Sepulchra whisper é uma introdução,) gravadas de forma crua, bases consistentes que podem ser promissoras. Full moon possession é rápida e com um grito e riffs iniciais que lembram o SARCÓFAGO na época do I.N.R.I.  Já Bestial worship tem uma pegada mais Death/Thrash com riffs cortantes.  Que sigam em frente e busquem a evolução. Bom início. Nota: 7,5

Por Écio Souza Diniz

Faixas:
1-Sepulchral Whisper
2-Full moon possession

3- Bestial worship  

SUFFERING: Chaosatanas (2014)


A Polônia é bem conhecida por possuir uma das cenas mais extremas do mundo, composta por bandas de alta qualidade. Composta por Armagedon (vocal), Astaroth (BESATT, guitarra e baixo) e Exernus (BESATT, bateria), o SUFFERING pratica um Black metal cru, agressivo e bem trabalhado. A forma orgânica da gravação aliada à técnica dos músicos já torna Chaosatanasum candidato entre os melhores álbuns do ano. Na abertura, Sacrifice for satan entra quebrando tudo. Na torturante I am the existence há andamento mais cadenciado, Frozen Faith possui alternâncias bem estruturadas entre partes mais rápidas e mais lentas e Leviathan rises é repleta de riffs cortantes. Uma banda promissora para despontar no cenário mundial. Nota: 8,5 LEIA MAIS

METALSTEEL: This is Your Revelation (2014)


Disco para integrar a coleção de apreciadores de Metal tradicional/melódico com elementos de Hard rock, o que se encontra aqui é uma trilha sonora para histórias fantásticas. Quinto registro da banda eslovena Metalsteel, formada por Beni Kic (vocal, guitarra), Rok Tomšiè (guitarra), Matej Sušnik (baixo) e Daša Trampuš (bateria), This is Your Revelation (2014) é um disco que mostra uma banda combinando agressão crua com estruturas progressivas. Gravado como numa jam, o resultado é um som orgânico que se encaixa de forma consistente à produção moderna. Destaque para as linhas de guitarra de Beni e Rok, e para as harmonias vocais do primeiro. Ao dar o play, vale começar pelas faixas New Way of Thinking, New Messiah, a faixa-título e Long Time Ago. Nota: 8,5

Por Ramon Teixeira

Faixas:
1. New Way Of Thinking
2. Taboo
3. Narcissus
4. New Messiah
5. This Is Your Revelation
6. Call Off The War
7. Godfather Of Nothingness
8. Man Of 1000 Faces
9. Long Time Ago

LA VENTURA: White crow (2013)


Tratando-se de uma banda holandesa de melodic Metal/Rock com vocal feminino, após A New Beginning (2008) e o EP Breaking the Silence (2010), Carla Van Huizen (vocal), Sasha Kondic (guitarra), Mike Saffrie (baixo) e Renzo Van Poecke (bateria) presenteiam os apreciadores do estilo com o diversificado White Crow(2013). Gravado na França no MII Recording Studio, produzido por Didier Chesneau e masterizado por Bruno Gruel, tem-se em mãos um trabalho consistente e recheado de diferentes ambientações. Indo do peso e velocidade à lá Thrash metal como em Falling Down à baladas como Drowning e a faixa-título, vale o destaque para a bela voz de Carla e os riffs de Sasha. O nome do disco é uma excelente metáfora para o que se encontra nesse registro: contrastes. Vale a pena a audição. Nota: 8,0          

Por Ramon Teixeira

Faixas:
1. Falling Down
2. Human Vanity
3. Close to You
4. Song for an Idiot
5. White Crow
6. Drowning
7. Time and Time Again
8. Neverending Story
9. The Only One


10. Watch Me Go

ENDLESS RECOVERY – Thrash Rider (2013)

Eis aqui uma banda grega de Thrash metal oldschool com grande potencial para atingir popularidade dentro e fora de seu país. Formada no ano de 2011 em Atenas, cá está a banda com seu debut álbum lançado em 2013. Atualmente o time é composto por Michalis S. (vocais), Tasos P. (guitarra/backing vocal), Sotiris D. (guitarra), Panagiotis A. (baixo/ backing vocal) e Michalis M. (bateria). O som da banda é uma trilha sonora certeira para suas letras ácidas sobre sistemas políticos atuais e a nossa sujeição ao capitalismo, sendo executado com competência, unindo boa técnica e feeling. A gravação está bem orgânica, porém enxuta, registrando toda a fúria da banda. Durante todo o set list o que se encontra são riffs afiados, bases rápidas e variações muito inteligentes da cozinha do baixo e bateria. Embora, seja um pouco difícil separar destaques, alguns momentos se sobressaem como na pesada ‘Urban crimes’, riffs cortantes de ‘War in the streets’ e ‘Corrupted Media Propaganda’ (que também possui um solo inspirado), ‘Handycapped corpse’ e a marcante faixa título. Ótima estreia. Nota 9.
Por Écio Diniz
1-Urban crime- pesada
2- War in the streets
3-Power of hate
4-Corrupted media propaganda
5-Visions of the youth
6- Habitats mutation
7-Handycapped corpse

8-Thrash rider

THREE WISE MONKEYS: Perihelion (2013)


Depois de Red (2010) e do ao vivo Five Live EP (2011), os australianos Kypo (guitarra), Alex King (baixo) e Lian Chandler (bateria) acabam de lançar o álbum Perihelion, na verdade um compilado de singles lançados num período de dois anos. O que se encontra aqui é uma complexa reunião de composições fusion/rock progressivo experimental muito bem produzido à lá Liquid Tension Experiment. Numa primeira audição pode causar estranhamento a quem não é íntimo com a música instrumental, todavia, passado esse momento inicial, proporciona ao ouvinte viagens regadas a muita virtuose e notas dissonantes. Todas as músicas são interessantes, mas vale o destaque para SpiderFingers, com um grande peso no seu trecho final, Acid 15, um fusion lisérgico com excelentes linhas de guitarra e Choke, com uma cozinha bem estruturada e diversificada. Embarque nessa viagem. Nota: 8,5
Por Ramon Teixeira
Faixas:
Perihelion
Evolution
Sol Invictus
SpiderFingers
Zeitgeist
Acid 15
Choke
Pwnagetool

HELL’s THRASH HORSEMEN: Demo 2012


O revival do Thrash metal oitentista está sendo vivido em toda a parte do planeta, e na Rússia não é diferente. Nesse registro, Konstantin Rodin (baixo), Fyodor Masuev (bateria), Nik Komshukov (guitarra, backing vocal) e Alexander Ivanov (vocal) nos apresentam um Thrash metal furioso e insano. Com claras influências de Slayer, o que surpreende aqui é a organicidade e vigor da produção. Na música Lifetime Delusion tem-se a impressão de se escutar a música “ao vivo”, destaque para os bumbos da bateria. A melhor do EP com certeza é Minds Collides, violência em estado bruto. Diferente dos registros anteriores, …Till Violence (2009) e Going Violence (2010), aqui não há uma acentuada exploração do backing vocal, à lá Anthrax. A capa deste EP destoa do que tem sido feito atualmente no estilo (inclusive das capas dos registros anteriores da banda). Ao dar o play, violência, velocidade e nostalgia são o que vem a mente. Nota: 7
Por Ramon Teixeira
Faixas:
1-Im Reich Des Chaos
2-Servants of The People
3-Lifetime Delusion
4-Minds Collide

DRAGON’S KISS: Somewhere up in the mountains.


Neste debut em formato EP os portugueses do DRAGON’S KISS mostram nas duas faixas que o compõe um Hard/Heavy, com alguma influência de NWOBHM. A faixa título que abre o trabalho é um Hard duro e incisivo, com refrão marcante, bons solos e uma camada de sintetizador de fundo que lhe serviu bem. Your time mantem a pegada com riffs ásperos, porém possui partes mais cadenciadas e uma maior variação do vocal. Aliás, o vocal ácido/rasgado é um dos destaques aqui. Um bom início para uma banda que pode ser promissora, se manter este ritmo de composição. Nota: 7,0
Por Écio Souza Diniz
Faixas:
1-Somewhere up in the mountains
2-Your time

HUGIN MUNIN – Mountainbreaker (2013)


Quandas bandas brasileiras que se aventuram a tocar algo voltado para o Viking metal, com elementos de Death? Pois é, resposta difícil. Mas o Hugin Munin decidiu ser audacioso e dar a cara tapa. Após ter sido bem recebido com o álbum Ten Thousand Spears for Ten Thousand Gods, de lá pra cá esse grupo de Santos (SP) vem galgando boas etapas de crescimento em sua carreira. Neste EP o que encontramos são quatro faixas envolventes, remetentes a uma atmosfera de batalha. A gravação está limpa e linear para todos os instrumentos. A estruturação e dinâmica das músicas ainda podem melhorar, mas talento eles possuem para alcançar isso. A melódica Bastards are those, com um refrão marcante abre caminho para as passagens mais complexas de Flight of ravens, com interessantes partes mais arrastadas. Look skyward and despair se destaca por sua rapidez, bases metrancadas de bateria, bons solos de guitarra e alternância entre vocais rasgado e urrado. A faixa-título é a melhor, apresentando uma aura apoteótica. Vale citar também que Mountainbreaker narra uma saga que será contada em três EPs. Está aí um grupo que merece destaque. Nota: 7,5

Por Écio Souza Diniz

Faixas:
1-Bastards are those
2-Flight of ravens
3-Look skyward and despair-


4-Moutainbreaker 

MUQUETA NA OREIA: Blatta (2013)

 
Felizmente ainda há muitas bandas que nos aparecem como uma grata surpresa.  A Muqueta Na Oreia, clássico caso da máxima “nunca jugue pela capa”, é um desses casos. Com um Metal pendendo para o Thrash com elementos de Hardcore e Groove, esses paulistas mostraram uma evolução absurda em relação ao seu debut, Lobisomem em lua cheia (2010). O álbum foi lançado pelo selo da banda, o Muqueta Records, tendo distribuição da Voice Music. Um dos créditos fica para a gravação, clara, bem equalizada em todos os instrumentos e ainda mantém uma sujeira típica que dá um charme a mais. A produção do encarte também ficou excelente, num formato pôster com uma imagem de Brasília devastada de um lado e as letras (por sinal, bem inteligentes, com irreverência e sarcasmo na medida certa) do outro. No geral, Blatta é um trabalho nervoso do início ao fim que fala por si só, com todas as músicas adquirindo saldos positivos. Vale ressaltar também que todos na banda exercem fidedignamente suas funções. Após uma introdução sinistra com Signifer Lux, um clima não menos desolador entra em cena com a o início arrastado e pesado Nova Era, que é sucedido por uma levada rápida.  Hardware, software e Tupperware é um esporro sobre o circulo vicioso que muitos seguem, cumprindo trabalhos e responsabilidades que não os completam. Os riffs ligeiros e cortantes de Cabeça Vazia entram como uma obsessão na cabeça e Imortal tem uma veia Hardcore furiosa. O lado bem humorado fica a cargo de Exu caveira, Opalão e Melô do repolho. O Trash/Groove de primeira rola solto em Excesso e abundância, cujo vocal urrado de Ramires se destaca. A bateria de Obsesso, com uma boa variação e um pedal estourando o bumbo, mostra serviço num dos melhores momentos do disco. Um grande gol marcado pela Muqueta Na Oreia. Ouça sem moderação! Nota: 9,5
Por Écio Souza Diniz
Faixas:
1-Signifer lux (intro)
2-Nova era
3-Paranoia
4-Hardware, software e tupperware
5-Cabeça vazia
6-Imortal
7-Exu caveira
8-Excesso e abundância
9-Meretrix (intro)
10-Primogênito de uma meretriz
11-Obsesso
13-Opalão
13-Xamã
Bônus
11-Muqueta News
15-Melo do repolho
Muqueta News (videoclipe)
 

 

CRUSHING AXES – Frozen soul (2013)


O projeto CRUSHING AXES, capitaneado pelo guitarrista Alexandre Rodrigues (responsável por gravar todos os instrumentos) chega a mais uma saga com Frozen soul, um trabalho melancólico e com uma grande versatilidade de estilos dentro do Metal. A gravação está bem feita, apenas com o pesar do vocal um pouco abafado e alguns instrumentos mais altos em certos momentos. O já dito desfile entre vários estilos foi feito de forma criativa, mas talvez uma maior linearidade em torno de um só teria dado mais brilho ao álbum. Os primeiros destaques ficam a cargo das auras Doom de Burning prophets e Death to plague, a épica Warrior, a pegada Folk de Annihilation. O lado mais Death é ouvido em Coldblood, e o lado mais Thrash em Forge with hate. A aura Black metal ficou destacadamente com Pagan war. Um disco que lhe permitirá uma viagem profunda e envolvente. Nota: 7,5.

Por Écio Souza Diniz

Faixas:
1-Death to plague
2-Warrior
3-Eternal winter (instrumental)
4-Coldblood
5-Beyond the lies (Feat. Jessica Araujo)
6-Condmned soul (Instrumental)
7-Honouring the ancestors
8-Forgotten wisdom
9-Annihilation
10-Rise of the gods
11-Forget with hate
12-Warmaster
13-Pagan war
14-Burning prophets
15-Death machine (Feat. Jessica Araujo)

ELETRIC AGE – Good times are coming (2013)

A evolução da Eletric Age desde sua formação é evidente, aportando agora com um trabalho melhor produzido. Os garotos são bem intencionados e audaciosos no som a que se propõe fazer, um Hard/Glam anos 80. As músicas ainda precisam ser mais lapidadas, suas estruturas melhor arranjadas, uma enxugada nas partes melódicas exacerbadas e maior linearidade no vocal, que abusa dos agudos em alguns momentos inadequados. Sobre o set list Snake eater é um tema grudento que se destaca por suas bases e refrão. All night long é uma tema interessante com passagens mais lentas e uma boa sacada, assim como Dreamer. A bem humorada faixa título é empolgante e encerra bem o EP. Tempo, dedicação e persistência podem trazer coisas boas à banda. Confira! Nota: 6,5
Por Écio Souza Diniz
Faixas:
1-Rise
2-Snake eater
3-All night long
4-Dreamer
5-Good times are coming

STORMHOLD – Eyes in the eyes (2013)


Após um hiato de sete anos e algumas dificuldades, dando continuidade aos registros 2050 (2004) e Negative Infinite (2006), o que o grupo bielorrusso nos apresenta com esse EP é um Death metal melódico brutal e bem estruturado. São três faixas que merecem a atenção. Na abertura Another Day comanda uma pegada mais Thrash (com resquícios da fase Power/Trhash da banda), destacando as partes melódicas e vocais limpos, a lá Pain of Salvation. A faixa-título é a mais brutal, mostrando uma cozinha eficiente e solos bem arranjados. The History Pages é a melhor do EP, enfatizando as bases de teclado e riffs mais complexos. A capa desenvolvida pelo vocalista Alez Gasakov diz um pouco do que se encontra nesse disco: passagens harmoniosas e destruição num mesmo registro. Nota: 8.

Por Ramon Teixeira

 Faixas: 
01 – Another Day 
02 – Eyes In The Eyes 
03 – The History Pages 

WAGNER GRACCIANO – Across the universe (2013)

Em Across the universe, o talentoso guitarrista Wagner Gracciano apresenta um trabalho de muito bom gosto, mesclando vários tipos de música de forma inteligente em um único trabalho. Na audição o ouvinte pode se identificar com elementos de Jazz, MPB, Fusion, Blues, Rock clássico e Heavy metal. Na abertura Journey to the unknow é um tema cheio de energia, com belíssimos e vigorantes solos. No tema desenvolvido em Across the universe part II: overture-A breath of life, passagens orquestradas, acústicas e um crescimento em atmosfera é hipnotizante. As levadas de Jazz em Chaotic world e My own worldficaram bem interessantes (a última conta até com saxofone). Também se destaca As a prayer, com uma veia progressiva e inteligentes coros de vozes femininas. Vale ressaltar que a gravação está cristalina e com excelente equalização. Este álbum é mais uma prova da grande qualidade de tantos artistas brasileiros, que merecem mais atenção. Nota: 8,0
Por Écio Souza Diniz
Faixas:
1-Journey the unknow
2-Broked system
3-Across the universe part. I
4-Chaotic world
5-As a prayer
6-My own world
7- Across the universe part. II – Overture – A breath of life
8- Across the universe part. II – Act. II – When the eyes open up
9- Across the universe part. II – Act. III – Government of evil and of good birth
10- Across the universe part. II – Act. IV – The resurrection, The victory and Eternity

INSULTERS – We are the plague (2013)


Esta banda espanhola sim é daquelas bandas que pode ser dita impiedosa, pois o que há contido em We are the plague é um sucessão de riffs que cortam até o aço do começo ao fim. O que reina aqui é um Death cru e agressivo, que mescla alguns elementos de Hardcore e Crust. A faixa título abre o disco dando ao ouvinte a sensação de um trator infernal lhe passando por cima. Na sequência, Dynamite The Mosqueé também ensurdecedora, com bons solos. A levada Crust está presente em Curse the sun for rising, e Lucifer say die tem refrão marcante e uma bateria que arrebenta seus bumbos e pratos. A pegada Black metal oldschool está presente em Masters of sin e Children of judas. Burn the church fecha o album com solos insanos. Saudações ao INSULTERS. Nota: 8,0

Por Écio Souza Diniz

Faixas:
1-Intro
2-We are the plague
3-Dynamite The Mosque
4-Decadence
5-Curse the sun for rising
6-Lucifer say die
7-No mercy in my grave
8-Masters of sin
9-Midnight worshippers
10-Chidren of judas
11-Burn the church

MYSTICAL – Infernalis criatura (2013, Demo tape)


Oriundo de Silves (Portugal), o Mystical, composto Hailstorm (bacteria programada, teclado e samples), BHJS (guitarra e baixo) e Viriato Soul (vocal) traz um som profano direto das profundezas do inferno. Esta Demo traz sons crus e diretos, com semelhança ao Black Metal norueguês do início dos anos 90. Schizophrenia inferno é cortante, com letra agressiva, seguida pela rápida Infinita Voluptatem nos moldes de Darkthrone. Já Septicemia morbida tem um andamento mais cadenciado com solos incisivos, alternando com partes mais rápidas no final. Neste aspecto se assemelha a faixa titulo, com passagens cantadas em Latim. Para quem gosta da vertente oldschool do estilo, vale a pena conferir. Nota 7,0
Por Écio Souza Diniz
Faixas:
1-Invocação malévola
2-Schizophrenia inferno
3-Infinita Voluptatem
4-Septicemia mórbida
5-Infernalis criatura
6-Porta da traição

ARS DIAVOLI – Ars Diavoli (2013, EP)

Formado no ano de 2005 em Portugal pelo multi-instrumentista Villkacis, este projeto consiste de um Black metal Ambiente bem feito e introspectivo mostrado nas duas músicas deste EP, que serve como uma amostra do que pode vir contido num Full length. Em Turve lucidez há uma atmosfera crescente e profunda, que se intensifica e se torna mais pesada em Murmúrios, na qual há agonizantes vocais rasgados de fundo. Nota: 7,0
Por Écio Souza Diniz
Faixas:
1-Turva lucidez
2-Murmúrios

HELLARISE – Functional Disorder (2013, EP)

O Hellarise é uma banda cuja competência vem mostrando trabalhos bem feitos, lhe possibilitando colher bons frutos com isso. Composta atualmente por Flávia Morniëtári (vocals), Mirella Max (guitarras), Felippe Max (bateria) e Kito Vallim (baixo), neste EP a banda não deixou por menos e mandou ver no seu Thrash atualizado e técnico. Um dos destaques é o vocal rasgado e ácido de Flávia, que em momento algum faz feio. A pancadaria se inicia com a já conhecida e visceral More mindless violence, seguida pelo groove de I don’t believe. A pegada mais melódica, mas não menos pesada, rola em More than alive, que têm também um solo inspirado. A faixa-título mostra riffs e solos afiados e Rest in pieces (Good old feeling) tem uma bateria soberba. Para aqueles caros colegas brasileiros que somente se atentam ao Arch Enemy, parem por um momento e ouçam Hellarise. Nota: 8,0
Por Écio Souza Diniz
Faixas:
1-More mindless violence
2-I don’t believe
3-More than alive
4-Functional disorder
5-Rest in pieces (Good old feeling) 

VINGADOR – Dark side (2013)


Com aproximadamente 14 anos de estrada o Vingador mostrou que adquiriu experiência suficiente para chegar de forma honrosa a este debut, pois o que há aqui são músicas inspiradas, repletas de vigor, constituindo em termos gerais um Thrash que pode agradar a muitos. As influências da NWOBHM e Metallica (dos primórdios) é nítida no decorrer do álbum, assim como o Speed metal. Logo na abertura, Tolerance demonstra o poderio sonoro com um Thrash afiado, seguida do excelente Speed contido nos riffs, solos e refrãos empolgantes de Have no fear, Hellstorm, e Yellow crewCircle of death não deixa por menos, alternando com destreza partes mais cadenciadas com outras mais rápidas. Também se destacam Morrendo de paz, cuja letra retrata a realidade do povo brasileiro (certamente estará entre as mais pedidas nos shows), a impiedosa Pestilence e Darkness is the only light…suicide the way (o começo lembra Sarcófago). Feito para ser ouvido de ponta a ponta. 
Nota: 9,0

Por Écio Souza Diniz

Faixas:
1-Tolerance
2-Hellstorm
3-Ashes off ire
4-Circle of death
5-Morrendo de paz
6-Have no fear
7-Dead nazi poem
8-Yellow crew
9-Pestilence
10-Darkness is the only light…suicide the way




KID JOE – Nossas armas (2013)


Rock and roll simples e sem frescura. Esta é a proposta do KID JOE, mostrando que com o simples se faz muito. Apesar da gravação demasiada crua, Nossas armas é um bom EP para quem gosta dessa sonoridade, que em certos momentos flerta com Pop Rock e possui temas emotivos. Nossa arma é um Hard direto e tem uma letra muito legal, seguida de levadas mais melódicas de Controle. Em Olhos fechados destacam-se as harmonias vocais e riffs solados. A mais pesada é Política, com riffs incisivos, sendo facilmente das mais interessantes aqui. Em termos de “baladas” Despertar e Perdão cumprem bem este papel. Nota: 7,0
Por Écio Souza Diniz
Faixas:
1-Nossa arma
2-Controle
3-Olhos fechados
4-Despertar
5-Política

6-Perdão

MASTERPIECE – Heirs of freedom (2013)

Em Heirs of freedom o Masterpiece vem mostrar as garras com um Thrash metal nervoso, composto por pegadas mais atuais do estilo mescladas a elementos oldschool. Em Revenge há uma alternância entre Heavy e Thrash  esboçada em riffs ríspidos. No more tem bases bem legais do baixo (que ficou bem evidente) e solos precisos, além de um refrão marcante. Em Mr. Disgrace a banda toda mostra um bom desempenho, tendo destaque o vocal. Um lado agonizante, com partes acústicas e melodias envolventes rola em For the heirs of freedom (Another invite to suicide). Ainda se destacam Trajectory of death, com uma levada esperta Thrash/Speed, e The thing out of control com uma levada a lá Megadeth. O adendo a ser levado em conta no futuro é a qualidade da gravação, mas cacife para fazer bons álbuns esta banda tem. Nota 7,5
Por Écio Souza Diniz
Faixas:
1-Harbinger
2-Revenge
3-No more
4-Mr. Disgrace
5-Drowned in the sea of life
6-Hecatombe
7- For the heirs of freedom (Another invite to suicide)
8- Trajectory of death
9-Lane
10- The thing out of control
11-The collector

INFESTATIO – F.Y.A (2013)


 Este EP do Infestatio apresenta pretensões interessantes para um futuro full lengh, pois fazem aqui uma fusão de estilos que passam pelo Punk, Hardcore e Thrash. O vocal urrado/rasgado e denso de Rafão se destaca e encaixa bem para a proposta da banda. Na abertura, Shadow lesssegue uma linha mais cadenciada que se alterna com algumas partes mais rápidas.  F.Y.A percorre um caminho entre a rapidez e peso do Thrash e a crueza do Punk, e The snark é também visceral e com um refrão marcante. Os arranjos de War is the answer são os mais bem estruturados de todos e a técnica mais apurada. O único fator que realmente aponta contra a banda é a gravação, demasiada crua e com algumas equalizações dissonantes. Em suma, o tempo irá lapidar este que pode ser um nome de grande contribuição para o Metal nacional. Nota: 7,0
Por Écio Souza Diniz
1-Shadow less
2-F.Y.A
3-The snark
4-War is the answer
5-Bleed the lies

ERIDANUS – Helltherapy (2013)


Neste debut, o Eridanus mostra ser um grupo promissor no cenário nacional, afinal bom gosto, feeling e técnica esses caras tem de sobra. Helltherapy é um trabalho de qualidade, seja na gravação ou arranjo das músicas. A experiência de Roger Fingle do Estúdio Nitro nos processos de gravação, mixagem e masterização, certamente também contribuiu bastante para o resultado final. O vocal de Thiago Lauer é um dos pontos altos do disco, e com o decorrer de mais tempo, acompanhado de aprimoramento de sua técnica, ele pode vir a cair nos gosto da mídia e público. De forma geral, todos executam de forma eficiente suas funções, o que também torna a audição agradável. Após uma breve e engraçada em Time for medication, a faixa titulo entra de forma rápida e pesada. Em Fell in lust os solos de guitarra são bem delineados, mas o melhor momento ocorre em Set on fire, com riffs solados empolgantes e um refrão grudento (a lá Axel Rudi Pell). Também se destacam, as baladas My mistakes e Echoes of my heart (uma linda balada, profunda e envolvente), e a pesada Welcome to my paradise (vida a letra inteligente). Se eu posso citar pontos fracos, eu diria a respeito da dinâmica de algumas músicas que poderia ter sido mais explorada, um pouco de cadência em excesso em alguns momentos e ordenação do set list.  O que falta ao Eridanus após Helltherapy é um bom investidor em sua música, tanto em termos de empresário quanto de selo. Nota: 7,5
Por Écio Souza Diniz
1-Time for medication
2-HellTherapy
3-Addicted man
4-Fell in lust
5-My mistakes
6-Set it on fire
7-Wind
8-Echoes of my heart
9-Welcome to my paradise

OMFALOS – Cotton candy rendezvous (2013)


Se no primeiro álbum, Idiots savants(2011), a dupla Zé Misanthrope (vocal) e Thormianak (guitarra, baixo e teclado) já surpreendeu, apresentando algo singular para o Metal Extremo nacional, neste segundo álbum da banda foi além novamente. No geral, Cotton candy rendezvous consiste de canções mais longas, que caminham bravamente entre os sentimentos da dor, desespero, fúria e um sono profundo. Outro detalhe que se mantêm diferencial no Omfalos é sua arte gráfica, pouco usual para um grupo cuja linha frequente é o Black metal. Vale ressaltar que a banda nunca se manteve presa a apenas o estilo citado, há flertes com o Doom, exemplo de Unlike father, unlike son (com seus riffs carregados e distorcidos e atmosfera densa); Crust (a lá Impaled Nazarene), caso de A leap of Faith; gothic, vide a veia vintage de A cross too heavy to carry, com alternância de vocal limpo e rasgado, e All we love all we leave behind. Na pegada tipicamente Black metal, destaca-se Shattered perspectives, que entra rasgando tudo com grandes rapidez e técnica, esbanjando solos bem feitos e harmônicos. Os momentos mais perturbadores da consciência humana se encontram-se nas passagens mais lentas das sombrias Forsaken (cresce em agressividade), What would I say if I had another day e na faixa titulo. O encerramento com a acústica e instrumental It’s said and done tira o ouvinte do atordoamento para um descanso tranquilo. O contexto lírico, que trata de como cada pessoa sente e visualiza a morte de alguém, aqui teve uma trilha sonora perfeita. Evolução, ousadia e ‘know-how’. Precisa dizer mais alguma coisa? Nota: 9,0
Por Écio Souza Diniz
Faixas:
1-Unlike father, unlike son
2-Shattered perspectives
3-All we love, all we leave behind
4-A cross too heavy to carry
5-A leap of Faith
6-Forsaken
7-What would I say if I had another day
8-Cotton candy rendezvous
9-It’s said and done