HEREGE – Terra Morta

14114523_1077876802250241_1167656958_o

Com nova formação, a banda capixaba HEREGE – agora formada por Davi “Homem Bomba” Ambrósio (baixo e voz), Everton “Peste” Oliveira (guitarra e voz) e Juliano “Herege Maldito” Freitas (bateria) – brinda os apreciadores de música extrema com seu primeiro full-length Terra Morta. Gravado no Estúdio Nova e mixado por Lucas Barbosa (LucStudio), o disco foi lançado em 500 cópias limitadas pelos selos Cemitério Records e Cold Art Industry (mas não fique triste, o disco foi liberado também para streaming no site do primeiro selo). Neste registro você irá se deparar com um Death/ Grind cantado em português com influências de BRUJERIA, EXTREME NOISE TERROR, AUTOPSY e HAEMORRHAGE. Com vocais mais diversificados e letras ácidas que falam sobre desastres humanos e ambientais e, sobretudo, abordam o contexto político brasileiro atual, a banda – quando se compara a demo-ensaio Inocentes (2015) – deu um salto no que diz respeito à qualidade de produção e composição. Composto por 18 músicas, das quais quatro são regravações (em que fica na memória a nova roupagem dada para Inferno Nuclear) e cinco faixas bônus ao vivo, destacam-se: Basta de Preconceito, Terno e Gravata, Ilusão e, por último a música raivosa Aqui Jaz, que alude ao maior desastre socioambiental da história brasileira, o rompimento da barragem da Vale em Mariana que afetou todo o Rio Doce e sua população. A capa concebida por Cleuber Tosko da banda belo horizontina Rastros de Ódio completa o estado de arte e destruição presente nesse registro. É só dar o play! Nota: 8,0

 Por Ramon Teixeira

 Faixas:

1-Basta de Preconceito / 2-Dinheiro / 3-Policia Corrupta / 4-Cegueira / 5- Inferno Nuclear / 6-Instinto Corrupto / 7-Mentes da Alienação / 8-Terno e Gravata / 9-Terra Morta / 10-Em Nome Do Progresso  / 11-Bandidos no Plenário / 12-Ilusão / 13-Aqui Jaz / 14-Inferno Nuclear (Live) / 15-Inocentes (Live) / 16-Mentes da Alienação (Live) / 17-Repressão (Live) / 18-Terra Morta (Live)

Adicionar aos favoritos o permalink.

Os comentários estão encerrados.